Contato via e-mail

Cancelar

Mercado imobiliário 2020: conheça as oportunidades que surgiram na pandemia

Com a taxa de juros mais baixa e com propostas atrativas de financiamento, o mercado imobiliário pôde retomar com sucesso no segundo semestre de 2020.

Profissionais e investidores que atuam no mercado imobiliário precisaram se adaptar ao novo cenário imposto pela pandemia do novo coronavírus (Covid-19).

É inegável que essa adaptação trouxe novos aprendizados e alguns deles se destacaram de uma forma que, mesmo em um contexto pós-pandemia, irão permanecer.

Empresas que atuam no setor estão em busca dos melhores resultados. Por isso, conhecer as mudanças e novidades tecnológicas dos últimos meses é fundamental para sair à frente da concorrência.

O cenário é promissor e otimista mesmo sabendo que as coisas podem levar algum tempo para se normalizar.

Por isso, boa parte das pessoas que atuam no ramo, estão percebendo que existem alguns caminhos mais rápidos para a retomada das vendas.

Neste artigo você irá entender mais sobre o atual cenário do mercado imobiliário e compreender se vale a pena investir.

Aqui você também encontrará:

  • Mercado imobiliário: como estava o setor antes da pandemia?
  • O que mudou no mercado imobiliário com o Covid-19?
  • Tendências e oportunidades no mercado imobiliário 2020
  • Baixa taxa de juros no mercado imobiliário em 2020
  • Crise como oportunidade no mercado imobiliário

Boa leitura!

Mercado imobiliário: como estava o setor antes da pandemia?

A expectativa para 2020 no setor imobiliário era positiva, levando em consideração o crescimento econômico no cenário de reaquecimento do setor no ano de 2019.

Esse sinal positivo ocasionou-se por alguns pontos socioeconômicos importantes.

De acordo com o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) o Produto Interno Bruto (PIB) cresceu 1,1% em 2019.

E esse crescimento foi o mais equilibrado considerando os últimos três anos.

Mesmo antes da divulgação dos dados realizado pelo IBGE, em março deste ano (2020) as estimativas do aumento do PIB já eram otimistas, tanto para empresas quanto aos investidores, e isso teve influência direta da captação do setor em 2019.

O que mudou no mercado imobiliário com o Covid-19?

O que poucos sabem é que as principais mudanças do mercado imobiliário não foram causadas pela pandemia do Covid-19. Na verdade, elas ficaram mais intensas com o coronavírus.

Com ele, surgiram algumas dificuldades, principalmente em relação ao contato com clientes no momento de apresentar o produto e fechar contrato.

Não é de hoje que as relações comerciais do mercado imobiliário passam por ajustes, principalmente com a aplicação de novas tecnologias dentro do setor fazendo com que a conexão seja realizada por meio delas.

Seu impacto era notável e isso fazia com que a tomada de decisão fosse realizada com muito mais eficácia.

Em relação aos profissionais que atuam no mercado imobiliário, de acordo com a pesquisa “A influência do coronavírus no mercado imobiliário 3ª edição” realizada pelo Datazap, braço de inteligência de dados do Grupo ZAP, a pandemia trouxe consigo um aumento significativo da participação dos profissionais que atuam em incorporadores e construtoras sendo 73% atuantes na área de vendas e locação.

Porém, a proporção de respondentes que atuam em imobiliárias caiu consideravelmente quando comparadas às edições anteriores da pesquisa.

Imóveis residenciais na cidade de São Paulo

Mesmo com o cenário causado pela pandemia do Coronavírus, o segmento econômico obteve destaque no ano de 2020.

Segundo pesquisa realizada pelo departamento de Economia e Estatísticas do Secovi-SP (Sindicato da Habitação), no mês de abril, 1.923 unidades residenciais novas foram vendidas na cidade de São Paulo.

O resultado foi inferior ao mês anterior (março), ficando em 28,3% e isso contabiliza 2.683 unidades. Em 2019, esse índice estava em 27,7% com 2.658 unidades.

No período de um ano, sendo de maio de 2019 a abril de 2020, as 51.162 unidades comercializadas obtiveram um aumento de 60,2% quando relacionadas ao período anterior (2018 e 2019) sendo negociadas 31.944 unidades.

O Valor Global de Vendas (VGV), atingiu R$539,1 milhões, estando 48,1% abaixo do registrado em março onde chegou a 1,04 bilhões. Em abril de 2019, estava em 57,1% ou R$1,3 bilhões – valores atualizados pelo Índice Nacional de Custo de Construção (INCC-DI) em abril de 2020.

Lançamentos de imóveis residenciais em São Paulo

De acordo com a Embraesp (Empresa Brasileira de Estudos de Patrimônio), em abril de 2020 a cidade São Paulo teve um total de 1.902 unidades residenciais, sendo um volume 8% maior quando comparado a março de 2020 de 1.761 unidades. Além disso, está 44,5% abaixo do registrado em abril de 2019, quando havia 3.424 unidades.

No total, de maio de 2019 até abril de 2020, os lançamentos na cidades somaram 63.963 unidades, totalizando 57,3% acima das 40.617 unidades lançadas no mesmo período de maio de 2018 a abril de 2019.

Em 2020, a capital paulista encerrou abril com 33.968 unidades disponíveis para venda de acordo com o Secovi-SP.

Em números exatos, a quantidade de imóveis ofertados foi de 0,7% inferior ao registrado em março do ano de 2020, sendo 34.205 unidades e 55,2% acima do volume de abril de 2019, onde o número de unidades estava em 21.882 unidades.

É importante lembrar que a oferta engloba: imóveis na planta, em processo de construção e aqueles que já estão prontos e lançados nos últimos 36 meses, no caso de maio de 2017 até abril de 2020.

O mercado imobiliário se reinventou

Diante desse cenário o mercado imobiliário então começou a se reinventar, e o uso de meios tecnológicos se tornou ainda mais necessário nas construtoras.

Muitas passaram a utilizar o tour virtual para os clientes conhecerem os decorados. Você sabe o que é e para que serve?

Então saiba que o tour virtual nada mais é do que uma tecnologia utilizada por empresas que atuam no setor para mostrar o empreendimento de maneira detalhada.

Assim, o cliente pode conhecer o imóvel de onde estiver, precisando somente de um computador, tablet ou dispositivo móvel.

A tecnologia faz com que os potenciais compradores tenham o acesso completo a cada m² do empreendimento, utilizando o zoom para ver ainda melhor cada detalhe.

Isso facilitou o processo para ambas as partes e manteve o distanciamento social.

Tendências e oportunidades no mercado imobiliário 2020

No cenário atual, o mercado imobiliário passou por algumas mudanças e elas tiveram um resultado tão positivo que mesmo após a pandemia, irão permanecer.

Conheça abaixo algumas das principais tendências do setor:

Maior oferta de crédito

A variedade na oferta de crédito se deu por conta da facilidade que o mercado oferece atualmente para quem deseja financiar um imóvel. Tudo isso acontece por conta da baixa taxa de juros, que iremos explicar mais para frente.

Novas tecnologias disponíveis

Outro ponto visto como oportunidade e que os especialistas enxergam como tendência do mercado imobiliário são as novas tecnologias que estão surgindo no setor, como os condomínios inteligentes.

Eles oferecem sistemas de controle de energia e reuso de água que além de tecnológicos, são um passo grande rumo a sustentabilidade.

Além disso, esse avanço oferece mais segurança, já que é comum encontrarmos condomínios que utilizam a biometria e reconhecimento facial para acesso em suas dependências.

Ainda falando de tecnologia, o mercado imobiliário revolucionou a forma de fechar negócio com os seus clientes por meio do uso de assinatura digital e eletrônica de contrato.

Com ela é possível assinar toda a documentação de onde estiver, sem que seja necessário ir até ao local específico.

Vendas pela internet

Antes mesmo do atual cenário as vendas on-line já se apresentavam como uma forte tendência para o ano de 2020.

Com a pandemia, a recalibração das metas comerciais e treinamentos sobre vendas online ganharam importância na quarentena de acordo com a mesma pesquisa realizada pelo Datazap na sua terceira edição e os números mostram um aumento de 12% quando comparado a segunda edição da pesquisa.

Por isso é muito provável que a situação permaneça mesmo pós-crise. Assim, os profissionais que atuam no segmento imobiliário irão utilizar cada vez mais a internet para a prospecção dos seus clientes, gerando leads e fechando vendas.

Falando do consumidor, ele sempre dará preferência para as organizações que estão presentes no digital, já que se tratam de um meio que atua com agilidade e eficiência no momento de resolver problemas e tirar dúvidas.

Outro destaque importante são os portais e atendimentos virtuais que são fáceis de usar e tornam o atendimento mais prático.

Home Office

Com o distanciamento social muitos profissionais passaram a trabalhar em regime home office, e isso fez com que as pessoas buscassem imóveis com bons espaços para trabalhar.

Por isso, as construtoras passaram a priorizar tais ambientes, já que isso também é uma forma de valorizar o imóvel.

O coworking ou a junção de residencial com comercial está entre as tendências do mercado imobiliário e vem se espalhando por São Paulo, visto que a busca aumentou de maneira considerável no ano de 2020.

De acordo com a mesma pesquisa realizada pelo DataZap, 6 em cada 10 profissionais atuantes do segmento informaram que o trabalho remoto não era uma política implementada dentro da empresa antes da pandemia do coronavírus.

Ainda de acordo com a pesquisa, 74% das empresas entrevistadas pretendem continuar adotando o regime home office mesmo após o fim da pandemia.

Baixa taxa de juros no mercado imobiliário em 2020

O mercado imobiliário é um dos menos impactados com a instabilidade econômica de 2020.

A redução das taxas de juros do segmento está entre as melhores notícias para quem pensa em investir ainda esse ano.

O Comitê de Política Monetária (COPOM) do Banco Central cortou em agosto de 2020 a Taxa Básica de Juros (Selic) para 0,25 ponto percentual, indo de 2,25% ao ano para 2% sendo a mais baixa já registrada.

Com este cenário as operações de crédito para o mercado imobiliário se tornaram muito mais atrativas, principalmente levando em consideração a queda nas prestações e financiamento de imóveis.

Segundo o Banco Central, em maio a taxa de juros média de financiamento imobiliário chegou a 7,16% ao ano.

Isso faz com que estejamos no melhor momento para investir em imóveis, já que com a Selic em 2%, os custos imobiliários também sofrem redução.

Além disso, o valor dos imóveis está alinhado ao valor presente no mercado.

Tanto que o setor estima que a redução nos pontos percentuais de juros representa um desconto de 8% na parcela de um imóvel financiado.

A atual taxa básica de juros (Selic) é a mais baixa já registrada de acordo com o Secovi. Quando comparado ao ano de 2015, houve uma queda de 86%.

Além disso, a inflação no Brasil fechou julho em 2,31%, segundo dados divulgados pelo IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatísticas), estando abaixo da meta estimada pelo governo para 2020 que é de 4%.

Com a Selic em queda ocorre também a diminuição nos preços do crédito e assim é possível que haja o incentivo à produção, oferecendo benefícios para empresas do setor e investidores e com isso facilitando o financiamento imobiliário.

Crise como oportunidade no mercado imobiliário

Para quem sabe investir, a crise pode ser vista de uma outra perspectiva e é a partir daí que as oportunidades surgem.

Ainda mais com o cenário imobiliário atual mostrando que é possível encontrar negócios por preços atrativos principalmente com a queda da Selic.

Além disso, ter um imóvel também pode ser uma opção para gerar uma renda extra com aluguel de terceiros, por exemplo.

Vale ressaltar que com a baixa nas taxas de juros, dinheiro parado na poupança não gera o rendimento esperado. Inclusive os investimentos em renda fixa também acabam perdendo o seu valor.

De acordo com a Associação Brasileira das Entidades de Crédito Imobiliário e Poupança (ABECIP), no primeiro semestre de 2020 os financiamentos de imóveis realizados com recursos da poupança cresceram quase 30%.

Já quando houve a queda nos juros o aumento dos financiamentos imobiliários feitos pela Caixa Econômica Federal foram de mais de 20%.

A crise fez com que o mercado imobiliário atuasse em uma nova perspectiva e o resultado está sendo positivo para empresas e investidores.

Pensando nisso, é possível afirmar que 2020 é um bom ano para investir no seu imóvel próprio.

E você, acha que 2020 é um bom ano para investir no mercado imobiliário? Deixe seus comentários abaixo e compartilhe o conteúdo nas suas redes sociais.

Leia também:

Compartilhe:

Canais de venda

                       canal de venda dos imoveis são paulo Canal de vendas 11 3181 6082
corretor e atendimento online Atendimento Online
                       atendimento via whatsapp Atendimento por Whatsapp Atendimento por Whatsapp
                           atendimento venda imóveis por e-mail Atendimento E-mail

Fique por dentro!

Assinando nossa newsletter você fica por dentro de tudo que acontece com os nossos projetos e recebe todas as dicas do nosso blog em primeira mão.

Online
E-mail